Artur da Távola

Sir Artur, cavaleiro da Távola

Sir Artur, cavaleiro da Távola

Essa é mais uma homenagem do que um perfil. Já foi postada anteriormente no meu outro blog, em 10 de junho de 2008, mas achei que aqui era o seu verdadeiro lugar.

“Ah, Seu Artur… O Sr. não está mais entre nós, mas está…

Lembro da 1ª vez em que vi seu programa, anos atrás, na casa da minha avó. Era um sábado de manhã, e eu proferia minha típica reclamação muito repetida aos finais de semana: “Só passa porcaria nessa tv!”. De canal em canal de repente me vi hipnotizada por um senhor de óculos de grau e cabelos brancos que falava de Tchaikovsky em plena TV Senado. “Quem tem medo de música clássica?”, você perguntava. Dedicava o programa para os jovens de 60 anos que o assistiam. Anotei seu e-mail, queria te dizer: “Ei, eu tenho tantos anos e adorei o seu programa!”. Achei o máximo seu nome ser Artur da Távola. Pensei: “Que sorte a dele!”. Não me lembro se cheguei realmente a mandar um e-mail pra você. Passei a procurar seu programa todos os sábados de manhã que podia, e quando perdi minhas manhãs de sábado passei a esbarrar contigo de vez em quando pela noite, naquelas horas em que a gente fica a toa na frente da TV mudando de canal até achar alguma coisa ou não achar nada. Até hoje quando ligo a televisão vou ao canal 9, na esperança…

Você partiu, Sr. Artur. Partiu aos 72 anos, enquanto dormia. Será que seus programas continuam passando? Nunca mais o vi… Estava de passagem pela cozinha da minha avó quando o repórter começou a falar que tínhamos perdido um grande e valoroso homem naquele dia 09 de maio de 2008, um tal Paulo Alberto Moretzsohn Monteiro de Barros. Quando olhei as imagens, eram suas. Falando no Parlamento, Congresso ou sei lá onde. Artur da Távola era seu pseudônimo estiloso, genial. Descobri que além de amante da boa música era jornalista, colunista, radialista, escritor, professor, advogado e um dos fundadores do PSDB! O tucano mais honesto e amado, pelo que tive notícia. Perda tamanha! Eu nunca o conheci, acho que nunca nem o e-mail te mandei, mas surpreendentemente chorei como se fosse meu próprio avô que tivesse morrido. Doeu como se fosse um chegado meu, Seu Artur.
Só neste dia soube que até um blog você tinha, com milhares de mensagens carinhosas, milhares de jovens como eu e jovens de 60 anos contando sua admiração. Tantos que nem dava para o Sr. responder a todos. Quantas demonstrações de amor. Que bom… E quando vi aquelas tantas pessoas que não te conheciam, mas te conheciam como eu, chorando pelo mesmo sentimento que eu tinha, eu percebi.
Percebi como a sua existência havia sido maravilhosa. :)
Caramba, se no dia em que morrer eu causar comoção num sujeito lá em Alagoas… Que vida não terá sido a minha, ham!…
– Para Artur, ‘the once and future king.’ ”
Como sempre dizia no final de seu programa: "Música é vida interior, e quem tem vida interior jamais padecerá de solidão."

Como sempre dizia no final de seu programa: "Música é vida interior, e quem tem vida interior jamais padecerá de solidão." ("até a próxima!")

~ por LSReis em 06/05/2009.

3 Respostas to “Artur da Távola”

  1. Eu me lembro… eu me lembro…

  2. esse seu texto é um dos mais bonitos, e eu preciso ler os outros mas amiga, me perdoa, continua ficando pra depois porque veja bem, o sono é tão intenso, que eu saí do banho e do banheiro, e já ia fechando a porta com a luz acesa. x.x

    te amo.

  3. Conhecia música erudita como ninguém. Crônicas belissimas! Ah! que saudades!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: